Dia das Mulheres

Maria é feminista, desenha o símbolo feminino no braço e sai pra lutar por seus direitos.

Gabi é lésbica e a família demorou a aceitar.

Ana é fina, delicada e nunca sofreu por seu jeito de ser mulher.

Julia foi violentada.

Lê ouviu que se fizesse aquela faculdade não ia ter espaço no mercado de trabalho, porque preferem homens.

Bia sente-se rejeitada por ser negra.

Jeni só tem amigos homens, e eles padronizam demais as mulheres.

Duda não se sente confortável com seu cabelo armado.

Laura escuta demais que precisa tomar um bronzeado.

Maju é loirinha.

Lo é hétero.

Thais gosta de sair pra beijar vários numa noite só.

Manu prefere ficar em casa com o namorado vendo filme no sofá.

Mari escreve poesia.

Lara é todas as Marias, Gabis, Anas, Julias, Lês, Bias, Jenis, Dudas, Lauras, Majus, Los, Thaises, Manus, Maris e tantas outras mulheres.

Lara não pode ser definida por todas as características de todas essas mulheres, mas ela é mulher. E é muitas dessas coisas. Lara não é feminista, não luta por igualdade de gêneros, não espera ser tratada como é tratado um homem. Lara é apaixonada por justiça e luta pela igualdade de direitos, independente de raça, crença, posição de ativismo, opção sexual, e principalmente, independentemente de gênero. Lara entende o feminismo e acha lindíssima a luta, Lara luta sua própria batalha pelo seu espaço.

Lara é branca, hétero, de classe média, de família estruturada, frequentou só escolas boas, e não faz ideia do que é estar na pele de outras mulheres em outras situações menos aceitas. Lara mesmo estando dentro dos padrões aceitos já sentiu o peso de um preconceito, já se sentiu objetificada, sabe o que é o machismo. Lara nunca sentiu-se menor por ser mulher, mas sabe o que isso significa e luta para que nenhuma outra mulher se sinta assim.

Lara admira a força das mulheres, a delicadeza natural de todas elas, o amor e a graça que as foram dadas sem medidas. Ela reconhece o quão imenso é o nosso potencial como pessoas, trabalhadoras, mães, filhas, namoradas e esposas. Lara ama física, e se entristece diante do ínfimo número de mulheres nessa área, Lara é apaixonada por filosofia e sente-se amparada pelas filósofas que mesmo sendo minoria, fizeram história. Lara quer ser juíza e se inspira nas mulheres poderosas que estão assumindo cada vez mais esses cargos. Lara tem paixão por arte e vê cada mulher como uma obra única.

Lara não se importa com que roupa mulher “deve” ou não sair na rua, ela entende que isso é opção de quem está usando. Ela acha que a luta das mulheres é ainda maior do que aceitação geral das roupas, dos cabelos, das opções sexuais e dos cargos que as mulheres ocupam. Lara vê que a luta das mulheres é com elas mesmas, cada uma com seu coração pra que elas se aceitem e se amem, para que elas se sintam donas do espaço público. Para que elas se defendam e se façam visíveis pelo seu melhor, e não pelo seu lado mais polêmico. E mais do que isso, para que possam provar aos homens que são delas, que são completas e não precisam deles.

Ah, Lara, quanta hipocrisia achar que mulher tem que se provar! Mas Lara acha que embora isso, num mundo ideal, jamais deveria ter que ser provado, hoje é necessário que nos unamos para que isso seja efetivado.

Lara quer que homens lutem conosco pela igualdade de direitos independentemente de gênero. Quer que eles lutem contra o machismo consigo mesmos, que não objetifiquem, não abusem, não violentem as mulheres, porque eles não vivem sem nós, não é mesmo? Não teriam vida sem aquele “crack” que os quadris femininos fizeram, gerando uma dor imensa só pra colocá-los no mundo.

Lara tem milhões de coisas pra falar sobre as mulheres, mas prefere que seja dia delas todos os dias, pra que todos possam discutir isso todos os dias. Lara também prefere que seja dia dos homens todos os dias. E dos trans. E de todo mundo. Lara quer que seja dia do ser humano todos os dias.

Lara sou eu.

Mas eu também sou você.

Sou Maria da Penha, sou Frida, sou Teresa, sou Maria, sou Beyoncé, sou Cleópatra, sou Gadú, sou Kardashian, sou Carlota, sou Joana, sou Helena, sou Rihanna, sou Rita, sou Carmen, sou Marie, sou Jout Jout, sou Cecilia, sou Marlyn, sou Catarina, sou Capitu, sou Elis, sou Bruna, sou Madonna, sou Lady Gaga, sou Lou, sou Adele, sou Marilena e sou tantas outras. Sou MULHER.

E se você também é, não te desejo os parabéns, mas muita força, e que você consiga ver claramente o quão maravilhosa você é.

Deixe uma resposta