Era Medo, Agora…

Para ler ouvindo “I See You, You See Me” de Magic Numbers

Não sei quem inventou essa história de que garotos não choram. Eu te vi naquele dia, você estava tão bem. E pensei que nunca quis te amar, morria de medo de… desse momento.

Nos conhecemos na semana de Valentines Day, lembra? Os dois na fila pra ver mais uma comédia romântica boba que não acontece na vida real. Sem querer sentei na sua cadeira e você gentilmente perguntou qual era a minha e sentou nela, ao meu lado. Te ofereci pipoca, você me ofereceu um beijo.

Achei que nunca iria me apaixonar de novo. Achei que nunca conseguiria me relacionar de novo… quem diria que o acaso nos ajudaria assim? Eu gostando de ir ao cinema sozinho, você com seus amigos desmarcando de última hora.

Um mês depois já conhecíamos os amigos um do outro e saíamos juntos como casal. Nosso passatempo favorito eram os jogos, não importava qual. Ou sair pra comer? Talvez esse ganhasse. Mas as vezes gostávamos de ficar tranquilos, e você vinha pra minha casa, largados no sofá um meio por cima do outro vendo qualquer filme na Netflix pra depois dormir abraçados. E cada vez mais eu me apaixonava, sem querer, com cada coisinha de nossa relação tão singular. Já não era quem sempre fui, mas isso não era ruim, estava melhor, e estava feliz.

  • Sabe, quando eu te conheci eu morria de medo.
  • Medo de que?
  • Medo de te amar, mas acho que te amei desde o primeiro instante.
  • Mas por que medo?
  • Porque já tinha quebrado muito a cara antes de você.
  • E agora?
  • Agora o que?
  • Agora continua com medo?
  • Não mais, agora só consigo transbordar outras coisas.
  • Safado, já tá pensando em tesão? – Você responde com cara de falso chocado.
  • Isso sempre. – E dou risada te olhando com carinho.
  • Eu te amo e amo quem sou com você.

Escrito por: Jack Dias

Deixe uma resposta