DIVE WEB

Eu Gosto de Você

Para ler ouvindo “Outroria” de Anavitoria

Inspira. Expira. Respira. Não pira.

Falo pra mim mesmo em mais um ensaio tosco porque não consigo falar isso olhando em seus olhos.

Mais uma mensagem de texto que nunca será enviada.

Diz minha mente a cada conversa bacana que temos mas silencio preenchendo o espaço com outras coisas.

Sufoco com essas palavras presas na garganta com medo de falar, por mais que eu diga que quero uma resposta, seja sim ou seja não.

Mas sei que sem falar isso já é coisa demais pra você assimilar, pois eu não sou como as pessoas que você costuma gostar.

Penso em várias roupas diferentes para usar mesmo que meu guarda-roupa seja quase um guarda-roupa da Monica com jeans, all stars e blusas escuras. Me visto e “arrumo” o cabelo que fica sempre com um ar meio bagunçado. Passo meu perfume preferido, dou tchau pras crianças e saio – mesmo com as reclamações do Nino e Simba.

Chegando lá te vejo, também chegando antes do horário combinado. Entramos e sentamos já pedindo uma bebida pra tirar a timidez. Conversamos um pouco e vários tipos de música tocam até que começa um rockabilly. Te chamo para dançar te oferecendo a mão e te levo pra pista. Lá pergunto se posso conduzir e você assente com a cabeça. Começamos a dançar e a girar timidamente sorrindo e alguns minutos depois a música acaba, dando lugar a uma música lenta. Eu olho pra baixo, ainda segurando sua mão da última dança.

Te puxei delicadamente mais pra perto e começamos a dançar, nos aproximando até estar com os rostos colados.

Você respeitou e não disse nada, continuamos.

A música estava acabando e eu não sabia se conseguiria dizer olhando nos seus olhos depois que ela acabasse, mas não podia segurar mais.

A música acabou e falei que precisava ir ali, já começando a sair dos seus braços, e você segurou minha mão.

Olhei pra você e agora você que olhava para baixo, tímido.

Me aproximei de você novamente, sem me importar com qual música tocava e te abracei, ficando frente a frente contigo. Meus lábios tocaram os seus depois de tanta espera e tantos ensaios. As borboletas no estômago deram piruetas. No fim, nos olhamos e consegui falar com olhos nos olhos…

Escrito por: Jack Dias

Pular para a barra de ferramentas