Nunca

Para ler escutando “Espaçosa Demais” – Felipe Araujo

Você apareceu devagar, timidamente. Meu coração confuso te viu e no primeiro olhar se interessou – mas a razão já barrou e disse não. Aos poucos fui te conhecendo, seus gostos, seus olhares, seus toques. Entre o que sentia e o que racionalizava não sabia se me queria como te queria. Via sinais e falta de sinais praticamente nas mesmas proporções e quase desisti de tentar algo, mas era só você me olhar que sentia aquele frio na barriga, não podia desistir.

Começamos a aceitar os convites um do outro. Agora já não sei se tem como eu ser o dono do que sinto, você invadiu meu coração. Marcamos um passeio no Ibira – te pedi pra ser meu professor nessa nova empreitada, e você aceitou.

Chegando ligeiramente atrasado, te vejo. De bermuda, camiseta gamer e aquele seu olhar por trás dos óculos – se não ficasse sem jeito conseguiria encarar esse seu olhar por uma eternidade. Você já segurava uma bicicleta e falei que eu ainda precisaria alugar, mas me disse que ia ficar ao meu lado enquanto eu aprendia, apenas caminhando.

Depois de muitas tentativas frustradas finalmente tivemos algum sucesso e fizemos uma pausa sentando perto do lago comendo uma pipoca doce e falando sobre a vida, planos pro futuro, sonhos, medos. Me deitei na grama cobrindo os olhos com o braço pra afastar o sol, e quando abri vi você deitado de lado me olhando. Respirei fundo me virando pra você, nossas bocas frente a frente, olhos nos olhos… e aconteceu. Seus lábios em forma de coração que ainda sinto nos meus…

E assim seguiu o dia, entre confissões, beijos e tentativas de aprendizado – terminando comigo conseguindo andar alguns metros, e sem cair, com direito a comemoração.

Perto da hora de ir embora, pensando em seu beijo, seu dengo, seu cheiro…

  • Te gosto, meu bem
  • Também te gosto
  • Não me deixa ir?
  • Nunca

 

Escrito por: Jack Dias

Deixe uma resposta