Ponto

Para ler escutando “Essa Eu Fiz Pro Nosso Amor” – Jao

Montei na garupa com medo, semi congelado mesmo.

  • Está pronto?
  • Definitivamente não. – respondi
  • Pode me abraçar.

Te abracei apertando firme, já fechando os olhos. Senti o vento em meu corpo e abri os olhos devagar, afrouxando um pouco o apertão que te dei quando saímos do lugar. Observei a paisagem urbana se transformar em montanhas, em cidadezinhas pequenas… até pararmos num lugar daqueles com cara de aconchego, sabe?

  • Ué, onde estamos?
  • Preciso te descongelar do medo inicial.
  • To bem.
  • Sei… mas vai recusar um café?
  • Caféééé! – respondi quase tropeçando pra descer da moto.
  • Sem acidentes – você me disse rindo

Te abracei brincando “to vivoooo” e você me olhou com aquele seu olhar. Aquele que me derrete mesmo numa tempestade de neve.

Ao entrar  no restaurante um buffet caprichado com mesinhas e sofás ao redor. Pegamos a comida e já fui pro sofá, sentando daquele meu jeito estranho, você sentando ao meu lado.

  • Ainda não enjoou de mim?
  • É possível?
  • Ah… – olho pra baixo e ficam alguns segundos de silêncio.
  • Experimenta esse bolo.
  • Oi?
  • Experimenta, é gostoso.

Você pega um pedaço e leva a minha boca – realmente o bolo é bom pra caralho, e olha que nem gosto de maracujá. Termino de comer e quando vou responder vejo novamente seus olhos perto dos meus, sua boca tão perto… mas tenho medo e me afasto.

  • O que houve?
  • Nada.
  • Então por que você se afastou?
  • Porque… não é nada.
  • Por favor?
  • Porque… porque você sabe que eu gosto de você, caralho.
  • Eu também gosto de você.
  • Não assim…
  • Assim como?

Te olho nos olhos, tentando encontrar que é mentira, duvidando, mas me perco rápido, me aproximo, minha mão na sua barba e a sua no meu cabelo, os lábios se aproximando…

  • Jack?
  • Oi?
  • Vai querer experimentar o bolo?
  • Eu preciso ir ao banheiro.

Saio correndo com as lágrimas já brotando. Já não somos mais quem éramos. Não somos mais dois jovens apaixonados – ou somos? Mas é tão difícil. Vários textos que fiz sobre nosso amor em minha mente mas o ponto final sobrepõe todos eles apertando meu peito e não sei mais o que fazer, como respirar. Eu preciso desistir de nós. Eu precisava que não fosse um ponto final, apenas um ponto e vírgula… eu preciso…

 

Escrito por: Jack Dias

Deixe uma resposta