Saudade

Já faz um tempo que não me perco em você. Não perco meus dedos entre seus cabelos nem meu rosto entre suas pernas. Já faz tempo que não te vejo desfilando de cueca em meu apartamento, coxas brancas, uma barriga gostosa de usar de travesseiro e um volume gostoso de atiçar.

Seu perfume está fraco em meu travesseiro, preciso de mais. Nossa música as vezes toca no meu Spotify e lembro da playlist de viagem que você criou pra gente. Lembra daquela viagem pra Minas? Eu chorei na estrada ao ver a paisagem e você não entendia, mas sabia perfeitamente pra qual música passar e o momento certo de afagar meu cabelo – coisa restrita quando dirijo. Sorríamos um para o outro de um modo bem bobo, e ainda nem tínhamos falado o primeiro eu te amo. Estava preso em nossas gargantas, com medo. Hoje percebo que nem sabia definir medo do que eu tinha. Estávamos juntos. Éramos nós.

Hoje depois de embarcar naquele avião há 3 meses me sinto um tolo. Gastei dias e horas ensaiando pra dizer eu te amo, pra te entender do jeito que você é. E agora mais de 9.000km nos separam. Você me ligou no skype ontem mas tive medo de atender, isso tudo veio a minha cabeça como um furacão. O difícil não é só o amor não correspondido, é o amor não falado com gosto de lágrimas e beijo de despedida também.

Hoje toca de novo. Suo frio. Atendo.

– Oi, Jack.

– Oi, honey…

– Sabia que adoro quando você me chama de honey?

– Você sabe que isso faz as coisas serem mais difíceis…

– Difíceis por que?

– Porque… porque… você sabe….

– Não conheço todas suas reticências ainda.

Em pensamento penso o quanto queria que você conhecesse… e vejo que você solicita vídeo. Aceito, mordendo o lábio de nervoso como você bem conhece.

– Hey, de novo.

– Hey…

– Você está bem?

– Pera… onde você está? – Olho para você e ao meu redor, procurando.

– Tem certeza que não sabe?

Ouço passos se aproximando e me vejo de costas em sua câmera, os olhos já lacrimejando. Me viro e te vejo, lindo como sempre. Te abraço forte sem te soltar, e o abraço é recíproco.

– O que você veio fazer aqui?

– Eu precisava te falar uma coisa.

– O que?

– Acho que você já sabe.

– O que?

– Mas pensando bem você é meio tapado – responde sorrindo.

– Você é besta 1 e sorrio de volta.

– Um besta que te ama.

Antes que minha mente busque sentido nessa frase, em você aqui, na distância por 3 meses ou qualquer outra paranoia qualquer…

– Eu também te amo. Senti saudade.

 

Escrito por Jack Dias

Deixe uma resposta